UMA ORAÇÃO QUE TODO PAI FAZ EM NOVEMBRO (mesmo que seja ateu)

Anúncios

BOM DIA

 

MARCOS MARIANO. DE RÉU A VÍTIMA, ELE FOI BEM MAIOR QUE A justiça.

http://tribunaldojuri.wordpress.com/2011/11/29/marcos-mariano/

No link acima o leitor encontrará uma história que nos propicia um momento de reflexão.  Trata-se da história de Marcos Mariano, falecido na última semana, dando fim a uma existência que simboliza toda a precariedade e ineficiência da justiça brasileira, aqui incluídos advogados, promotores e juízes, além dos demais setores que auxiliam ou de alguma forma aplicam a justiça.

Marcos Mariano passou nada menos que 19 anos preso por um crime que não cometeu, anos de terror nos quais, além de sua liberdade, foi sacrificada sua saúde. Uma tuberculose e depois a cegueira se abateram contra esse mártir. Mas os erros não param por aí. Na própria matéria que noticia a sua morte, Marcos Mariano é chamado de ex-presidiário.  Em outro momento, dizem que o estado de Pernambuco reconheceu o erro.

Profissionais que por dedução devem conhecer o vocabulário teriam a obrigação moral de encontrar outra palavra para se referir ao injustiçado. Chamá-lo de ex-presidiário nos parece ser um descuido, um desleixo. Marcos Mariano foi sim uma vítima. Um mártir da Causa Justa. É uma tapa na cara da soberba. Marcos Mariano, de Maria, tem algo de sagrado que deve obrigatoriamente ser relembrado a cada vez que os operadores do direito se dispuserem a aplicar a lei e fazer justiça.

Também não se pode dizer que o Estado reconheceu o erro, ao tempo em que se sabe que ele ainda não pagou a dita indenização. Oportuno se entender que se o Estado de Pernambuco quer realmente reconhecer o erro, ainda que sobre o túmulo de Marcos Mariano, deverá ele pagar integralmente a indenização a que foi condenado, isso em respeito ao tempo que manteve Marcos Mariano preso injustamente.

Resta saber em quanto tempo o estado irá realmente reconhecer o erro.

Resta saber quanto tempo levará a Globo Filmes para realizar a produção com a história de Marcos Mariano, ou se ainda veremos triunfar as aventuras de Bruna Surfistinha.

Marcos Mariano, de Maria mesmo, deve ser lembrado, e a ele, devem ser rendidas as homenagens necessárias para que o erro não se repita, a máquina seja vista com ressalvas, e os homens de preto de vestes talares, coloquem-se de cabeça baixa diante daquilo que lhes é tão superior: A JUSTIÇA, escrita com letras maiúsculas e ditas com os melhores acordes da harmonia que enunciam o que é certo. Sem dissonantes, sem desafinações, sem contratempos. Cada nota em seu lugar

Além da tragédia, sintomático é o fato de ter Marcos Mariano recebido apenas metade da indenização. É como se tivesse recebido tão somente a metade da justiça (apesar de ter sido bem menos que isso). Mas fica a indagação. Quantos estão por aí na mesma situação, e nem metade da justiça verão?

Veja mais em www.samuelrangel.com.br

SIMPATIA PARA PERDER PESO. ESSA REALMENTE FUNCIONA!

Minha Amiga Karin manda essa receita de simpatia, e resolvi divulgar.

“Simpatia para perder peso.”
Arrume uma fita amarela. Na primeira noite de lua minguante, saia de casa com a fita amarela nas mãos e procure no céu um estrela bem pequena. Quando achar a estrela pequena dê um nó na fita e diga: “estrela, estrelinha formosa e magrinha, me dê sua magreza que eu dou minha gordurinha.” Dê o número de nós que desejar perder e para cada no repita a frase. Amarrar a fita em seu pulso, e à medida que for perdendo o peso, desate o nó correspondente.

 

Exato. Segundo uma prima minha, super funciona.

 

Só que ela esqueceu de colocar a unidade de peso em relação ao nó que é usada na simpatia. A proporção é de um nó para cada mg de peso que você deseja perder.

 

Assim, se você quiser perder um quilograma, terá que dar mil nós para cada grama, e repetir isso mil vezes até chegar a um Kg. Se você quiser perder mais que um quilograma, repita pelo número de kgs que você quer perder.

Exempelo.: Se você quiser perder 30 quilogramas, dará mil nós, por mil vezes, e repetirá o processo 30 vezes. Número total de nós. 30.000.000 de nós. Entendeu?

 

IMPORTANTE! Para as loiras indicamos estarem acompanhadas de alguém durante os cálculos. rssss

TENDÊNCIAS SUICIDAS…

CAMPO DE FLORES – Poema de Carlos Drummond de Andrade interpretado por Paulo Autran

Deus me deu um amor no tempo de madureza,
quando os frutos ou não são colhidos ou sabem a verme.
Deus-ou foi talvez o Diabo-deu-me este amor maduro,
e a um e outro agradeço, pois que tenho um amor.

Pois que tenho um amor, volto aos mitos pretéritos
e outros acrescento aos que amor já criou.
Eis que eu mesmo me torno o mito mais radioso
e talhado em penumbra sou e não sou, mas sou.

Mas sou cada vez mais, eu que não me sabia
e cansado de mim julgava que era o mundo
um vácuo atormentado, um sistema de erros.
Amanhecem de novo as antigas manhãs
que não vivi jamais, pois jamais me sorriram.

Mas me sorriam sempre atrás de tua sombra
imensa e contraída como letra no muro
e só hoje presente.
Deus me deu um amor porque o mereci.
De tantos que já tive ou tiveram em mim,
o sumo se espremeu para fazer vinho
ou foi sangue, talvez, que se armou em coágulo.

E o tempo que levou uma rosa indecisa
a tirar sua cor dessas chamas extintas
era o tempo mais justo. Era tempo de terra.
Onde não há jardim, as flores nascem de um
secreto investimento em formas improváveis.

Hoje tenho um amor e me faço espaçoso
para arrecadar as alfaias de muitos
amantes desgovernados, no mundo, ou triunfantes,
e ao vê-los amorosos e transidos em torno,
o sagrado terror converto em jubilação.

Seu grão de angústia amor já me oferece
na mão esquerda. Enquanto a outra acaricia
os cabelos e a voz e o passo e a arquitetura
e o mistério que além faz os seres preciosos
à visão extasiada.

Mas, porque me tocou um amor crepuscular,
há que amar diferente. De uma grave paciência
ladrilhar minhas mãos. E talvez a ironia
tenha dilacerado a melhor doação.
Há que amar e calar.
Para fora do tempo arrasto meus despojos
e estou vivo na luz que baixa e me confunde
.

O LIVRO DA VIDA