SOCORRO! Crônicas de Um Paranaense.

( (  ( ( ( ( ( 1 0 0 3 0 9

Alguém aí? Será que alguém poderia me ajudar? Meu nome é Paranaense, sobrenome Um Brasileiro. Nascido por bênção nesta terra rica e fértil, tive a má sorte de ver tudo isso ser abandonado à própria sorte, e a falta dela também. Tenho a nítida impressão de que sou governado por bandidos. E não falo aqui deste ou aquele partido. Chego a pensar que o povo Brasileiro não é traído pelo PT ou pelo PSDB. Na realidade acho que nenhum deles quer nada sério com o povo. Uma relação de pura sacanagem.

E se hoje abro a “caixa de ferramentas” do word, é para pedir socorro. Alguém aí pode me ouvir? Quem sabe a Scotland Yard, ou o FBI? Sim. Eu sei que eles nada podem fazer, mas é que dentro das fronteiras deste país estou perdendo a esperança, e vejo as referências se dissolvendo diante da realidade inacreditável do que se passa por aqui.

( (  ( ( ( ( ( 1 0 0 3 1Em plena polêmica do “TUDO AQUI”, que visa colocar em um único endereço mais de cem serviços públicos (um avanço para nós que vivemos “sem serviços públicos). Na prática, deveria ser um espaço para que o paranaense conseguisse fazer documentos e ter acesso aos órgãos do governo e das prefeituras com mais rapidez (acredite se quiser). Seria um modelo parecido com o das Ruas da Cidadania, em Curitiba, contudo, administrado por empresas privadas. Justamente isso! O público administrado pelo privado, como a história dos radares. Além da capital do estado, o projeto deve ser implantado em Ponta Grossa, Maringá, Londrina, Cascavel, Guarapuava e Foz do Iguaçu (para os que ainda não sabem, a polêmica foi gerada a partir da denúncia de deputados estaduais da oposição de que houve favorecimento na licitação que destina R$ 3 bilhões ao projeto).

Hoje fui ao DETRAN, tentar forçar a transferência de um carro que vendi a cerca de 3 anos. Com os documentos em mão, sento-me com a senha 124 na mão. Na tela de cristal líquido barato, o número é 93. Sim. Eu vou esperar. Eu que espero há tanto tempo por dias melhores, posso esperar que “Estado” me dê a atenção que nunca me deu.  Após aquelas horas na fila, tal qual o menino que ganhou a bicicleta no bingo da igreja, vejo o meu número na tela. Finalmente chegou minha vez.

Chegado lá, dou de cara com uma senhora com um mau humor misterioso. Aquela cara de quem vai entrar em greve amanhã. A vontade de me atender é compatível com a atenção que o Estado me dedica. Olha por dois segundos todos os documentos, ela diz que não receberá o documento, pois o documento do cartório é ilegível. Pensei alguns palavrões, mas não disse nenhum. Olhei para ela e disse que entendia perfeitamente o que estava escrito. Ela, me olhando com a cara de mulher largada, diz “não querido”, tentando me fazer crer que tal documento não é legível. Quando vejo crescer em mim um monstro, e falar alguma coisa para a senhora, resolvi segurar a indignação e lembrar que desacatar funcionário público é crime. Ainda não é crime desacatar o contribuinte, o cidadão. Desacatar um Paranaense é na realidade aquilo que eles pensam ser o Regular Exercício de um Direito.

Com a voz serena ainda, perguntei à jararaca quem era o superior dela. Com o nome na cabeça e os palavrões que engoli no esôfago, vou até outra sala e espero mais uma hora. Depois de algum tempo, o cidadão me diz que não pode fazer nada, pois o “pessoal do registro” é chato.

Quem? O que? Quem é chato?

Chato sou eu que vim aqui exercer meu direito de cidadão e incomodar o paquiderme estatal que só serve para arrumar emprego na época de campanha. Chato sou eu que sem pedir licença, nasci no Brasil, no Paraná. Chato sou eu!

Pedi que certificassem a minha presença. O supervisor disse que desconhece tal documento. Eu informo que tenho esse direito. Ele me informa que está ali há apenas 3 meses, esperando a aposentadoria, e não sabe como fazer isso.

Mas se ele não sabe, como é que virou chefe MEODEOS?!?!?!?!

Digo a ele que tal fato é negativa da prestação de um serviço público. Que ele ao menos deve receber o documento, para que posteriormente ele seja deferido ou não. Ele não entende. Explico uma segunda vez, e ele me responde: “Doutor. O Senhor é advogado, eu não.”

Ele me diz que devo tentar em outra unidade do Detran. Numa dessas eu levo sorte. Mas o que é isso? Sorte? Eu? Se tivesse sorte não teria nascido nesta terra! Seu eu tivesse sorte eu era herdeiro do trono espanhol (se bem que a sorte não anda em alta na casa do Rei). Por que não te calas Samuel?

Sou Paranaense Um Brasileiro, e vendo agora que o estado pagará R$ 3.000.000.000,00 (três bilhões) para criar a versão física de um call center que não funciona, resta-me a itnernet, este meio de pedir socorro, quem sabe para a Corte de Internacional de Haia … (Você precisa saber mais sobre isso. Leia aqui: http://www.bemparana.com.br/noticia/252802/governo-suspende-licitacao-para-o-tudo-aqui-pr )

Sou Paranaense, Um Brasileiro!

( (  ( ( ( ( ( 1 0 0 3 0

Anúncios

1 Comentário

  1. nossa realidade..não somente no Detran e sim em qqr repartição poublica..então SOCORRROOOOO!!!!!!!!


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s